Ruptura. Qual melhor tratamento?

Quando um indivíduo rompe um tendão, seja durante uma atividade esportiva, ou em um trauma, conclui-se que este tendão deve ser reparado, e logo se pensa em cirurgia. Tenho escutado muitas questões como: Imagina, como o meu tendão vai ficar? Solto? É imprescindível que ele tenha que ser reconstruído. Será?? Se for em caso de atletas então não tem escolha, a cirurgia será inevitável, pois irá ficar FIRME e SEGURO, para que o atleta esteja apto a treinar e competir novamente.
O que nos faz pensar que a cirurgia será o melhor tratamento? O que ela realmente poderá contribuir para a funcionalidade de um ligamento ou tendão rompido? De acordo com o pesquisador Javier Maquirriain, PhD (2012) A ruptura do tendão de Aquiles (TA) é uma lesão grave e o melhor tratamento ainda é controverso, pois os resultados cirúrgicos são semelhantes aos resultados conservadores (fisioterapia), no entanto, descobriu que a força da sutura do TA testada em cadáveres indica que esses reparos são extremamente fracos em comparação com as forças que o TA está exposto durante a caminhada. As técnicas cirúrgicas mais fortes são o “3-bundle” (453 N) e “Krackow aumentado de 4 fios” (323 N). É importante considerar a estimativa de forças aplicadas ao TA durante os exercícios mais comuns e atividades durante o período de reabilitação, se for comparar com as sobrecargas geradas neste tendão pela caminhada (1500-2000 N), uma cirurgia não será suficiente para resolver a necessidade funcional de uma pessoa sedentária e muito menos para um atleta – corrida (9000 N).
O protocolo de reabilitação deve se iniciar o quanto antes, com suporte de peso, amplitude de movimento e exercícios de fortalecimento, bem como, tempos de imobilização mais curtos e mais rápido retorno ao esporte, porém estes protocolos não têm muito apoio científico. Por estes fatores é crucial saber o comportamento mecânico do tendão, as alavancas da biomecânica nos exercícios de fortalecimento para obtenção de um tratamento eficaz, tornando um atleta apto a competir num período mais curto de tratamento e sem a necessidade de um procedimento cirúrgico.
Chega de sentir dor!!!!

Comentarios

Comentarios